propositos_1

Bem-vindos ao MFI

“Ministers Fellowship Internacional”

(A Comunhão Internacional de Ministros)

dick_iverson

Queridos companheiros e ministros do Evangelho:
Nós apreciamos seu interesse em conhecer o propósito e estrutura do MFI como esboçados neste documento. Vocês podem estar se perguntando, “Por que mais esta organização?”. Este livro representa a nossa resposta escrita por pastores como vocês, informando-os e esclarecendo como o MFI poderá beneficiá-los e expandir o Reino de Deus.

Já, durante alguns anos, o Senhor tem colocado em meu coração a necessidade de nos estruturamos para o crescimento, assim permitindo a expansão duma forma ordenada. Pudemos ver o estabelecimento de muitas igrejas procedentes do “City Bible Church” antigo, “Bible Temple”. Sabemos que há um grande numero de outras igrejas as quais caminham sós e tem expressado um desejo de caminhar conosco em comunhão.

O MFI é uma resposta às orações de muitos. Agora podemos estender a bênção que experimentamos durante anos a um numero bem maior de pessoas. Agradecemos a Deus pela sabedoria e direção por ele concedidas.

Ao crescermos haverá vários pastores com a mesma disposição e coração de pai que trabalharão conosco dando cobertura e direção à comunhão. Eu lhes agradeço pela sua confiança e permissão para explicarmos por meio deste livro a visão e os sonhos que temos para o MFI. Esperamos que vocês possam sentir nossos esforços mútuos. Nós cremos que o Senhor usará este instrumento para fortalecer Seu corpo e Seus líderes através do mundo. Que Deus comunique a vocês qual é o nosso espírito por meio deste livro.

Em Seu nome, seu conservo,

Dick Iverson
Fundador do MFI internacional

Declaração de Missão

A Comunhão Internacional de Ministros (MFI – Brasil) existe para facilitar e nutrir relacionamentos significativos entre ministros membros, equipando-os e capacitando-os a serem mais efetivos em seus chamamentos, com o propósito de edificar e multiplicar igrejas locais fortes ao redor do mundo.

Propósito

Proposito

1) Facilitar relações significantes
a. Para que ministros possam achar um senso de identificação.
b. Para que ministros possam desfrutar de companheirismo e comunidade com pessoas afins.
c. Para que ministros possam experimentar os benefícios de apoio mútuo.
d. Para que ministros possam receber proteção mediante um compromisso de prestação de contas.

2) Equipar e Habilitar os Ministros
a. Aperfeiçoando as suas habilidades de ministério.
b. Dando conhecimento de princípios bíblicos de vida de igreja bem sucedida.
c. Promovendo consciência e avaliação de tendências atuais.
d. Compartilhando ideias úteis que colaborarão com o seu ministério.

3) Promover uma visão comum
a. Para que a igreja de Jesus Cristo possa ser gloriosa em suas expressões locais.
b. Para que igrejas novas possam ser plantadas e crescer em maturidade.
c. Para que ministros e igrejas que experimentam dificuldades possam ter acesso a recursos confiáveis e úteis providos pelo MFI.

O que é o MFI?

MFI

O MFI não é uma denominação. É uma comunhão de ministros que concordam e se assemelham em doutrina, visão, caráter, valores e propósito. A visão do MFI é afetar nosso mundo para Jesus Cristo por meio de igrejas locais fortes, que sustentem os altos valores morais e éticos ensinados na Bíblia.

A intenção do MFI é proporcionar a cada ministro:

– Relacionamento: Muitos ministros carecem de relacionamentos aos quais possam se abrir e prestar contas. No MFI encontrarão outros que podem estar junto a eles em amor e encorajamento.

– Renovação: Todos os ministros precisam de tempo fora de seu contexto, quando podem se renovar e adquirir uma perspectiva nova daquilo que está acontecendo em suas igrejas e no mundo da Igreja. Através das conferências promovidas pelo MFI isso pode acontecer facilmente.

– Reciclagem: A maioria dos líderes deseja treinamento contínuo e educação adicional para poderem tornar-se mais efetivos naquilo que fazem. Os livros, CDs e artigos que serão enviados a cada membro do MFI e os tópicos discutidos nas conferências ajudarão o ministro a ser bem mais equipado para enfrentar os desafios de hoje.

– Recursos: Nenhum ministro tem tempo para examinar tudo aquilo que lhe está disponível para o crescimento e desenvolvimento de sua igreja. O MFI promoverá materiais de apoio, proporcionando também acesso a ministérios apostólicos, aconselhamento e direção para ministros que precisam de ajuda em qualquer aspecto (área, problema…).

– Reavivamento: A maioria dos líderes de igrejas estão continuamente repartindo de si e ministrando a outros. Mas que ministra a eles? Onde é que os pastores têm oportunidade para serem ovelhas e receberem ministério pastoral para sua própria alma? Cremos que as conferências do MFI serão um lugar onde os pastores podem ser tocados pessoalmente, reavivados, restabelecidos e curados.

– Realização: Todos os líderes dotados de uma mesma visão têm o desejo de fazer parte de algo que fará diferença no Reino de Deus. Unindo-se a outros líderes de uma mesma visão, eles poderão fazer um impacto muito maior no mundo e terão maiores possibilidades de perceberem a visão que está nos seus corações. A extensão internacional e expansão do MFI podem ser compartilhadas pela membresia inteira do MFI.

História do MFI

Frank-Damazio

MFI começou como uma organização em 1987 em resposta a necessidades urgentes de cobertura, prestação de contas, identidade e relacionamento, entre pastores e líderes de igrejas autônomas.
O pastor Dick Iverson, que na ocasião era o pastor sênior de Bible Temple (agora City Bible Church), estava experimentando grande êxito preparando líderes e os enviando para implantação de igrejas. Procurando acompanhar as igrejas plantadas e seus respectivos pastores responsáveis o pastor Iverson servia de anfitrião de uma conferência anual para todos esses que tinham sido enviados pela igreja.

Todos os anos essa conferência dava oportunidade para renovar os relacionamentos com velhos amigos, fortalecer as ligações uns com os outros, e ser desafiado quanto às tendências atuais e crescer na visão daquilo que Deus queria fazer globalmente. Era sempre um momento muito especial para a família extensiva da City Bible Church.

Ao mesmo tempo o pastor Iverson mantinha um coração aberto a todos os pastores que precisavam de um pai espiritual. City Bible Church promovia conferências e seminários, para quem quisesse participar. Muitos pastores que estavam tirando proveito dessas conferências e que não tinham nenhum relacionamento com uma igreja mãe que os enviasse ou cobrisse, começaram a querer um relacionamento mais intimo, com maior profundidade em compromisso e responsabilidade.

Esses pastores apreciavam a conferência, mas quando retornavam às suas igrejas ainda sentiam como se estivessem sós. Havia pastores que tinham uma visão compatível, um sistema de valores em comum e um sistema da convicção semelhante. A menos que se unissem a uma denominação tradicional, não teriam nenhum meio pelo qual se associar com ouros pastores afins.
Em resposta a esse clamor, o MFI foi estabelecido para ser tal veículo. O MFI é uma entidade independente constituída com o propósito exclusivo de unir ministros. Foi estabelecido distintamente para prover o fortalecimento de ministros sempre mantendo em alta consideração a autoridade e autonomia de toda igreja local.

O MFI proporciona uma atmosfera na qual líderes que compartilham uma mesma visão podem se unir, ministrar um ao outro e encontrar a quem prestar contas, relacionamentos, recursos e ajuda apostólica. Da mesma forma, suas congregações podem identificar-se em nível nacional e internacional.

Uma equipe de estratégia internacional, designada pela equipe apostólica e conduzida por um diretor internacional, é chave vital ao desenvolvimento do MFI mundialmente. Em cada nação há pastores que estão caminhando sós e precisam de tudo aquilo que uma comunhão como MFI tem a oferecer. A Equipe de Estratégia Internacional ajuda a Comunhão a corresponder à direção do Espírito Santo na medida que Deus a põe em contato com os pastores nacionais e líderes de igrejas.

A visão do MFI é desenvolver uma organização afiliada em cada país do mundo, conforme o Senhor guiar. Esta visão começa com uma nação por vez. Afiliados do MFI foram estabelecidos na Austrália, México e Uganda e estão sendo lançadas as bases para um MFI na Europa, África Ocidental, Japão e muitos outros países asiáticos.

História do MFI no Brasil

primeira_equipe_mfi

Quando o MFI iniciou nos EUA, este mesmo processo de relacionamento ministerial já estava em andamento no Brasil, pois desde 1970, ministérios oriundos do Bible Temple, entre eles o pastor Dick Iverson, vieram para ministrar a irmãos que buscavam uma mesma visão, o que já nessa época promovia um sentido de relacionamento, comunhão e identidade entre si.

Muitos encontros, seminários e reuniões aconteceram desde então, tais como: Itaici em Indaiatuba, SP; Siloé em Curitiba, PR (que ainda é um referencial de relacionamentos entre muitos ministérios), e Igrejas Ligadas. Até que, em 1998, um grupo de ministérios no Brasil, que já vinham mantendo relacionamento com o MFI nos EUA e que sentiam que o mesmo deveria ocorrer em nossa nação, foram convidados para participar da conferência anual em Portland, Or, EUA, onde foram recebidos como membros e autorizados a dar ínicio ao MFI-Brasil na qualidade de conselheiros. Estes são: Michael de Wayne Piper, Thomas LeDoux Willkins, Samuel de Souza, Samuel de Sousa Junior, Ronei Lutero Gomes e Davi de Sousa.

A filosofia do MFI

visão

O MFI tem convicções fortes referentes à autonomia da Igreja Local. Estas convicções subjacentes afetam tudo que seus membros fazem e servem como guia para todo o seu procedimento. Sua filosofia é refletida em três fases:

1. Ministros tocando outros ministros
O MFI não é uma comunhão de igrejas, e sim, uma comunhão de ministros. Isto significa que ministros de visão e doutrinas semelhantes voluntariamente se associam com outros ministérios objetivando comunhão, encorajamento, expansão de visão, adestramento e força.
Isto também significa que os membros da Comunhão precisam saber que quando se tornam partes do MFI, eles não estão pedindo só apoio e reforços, mas também estão indicando que desejam proporcionar isso para outros dentro da Comunhão.

O MFI proporciona uma estrutura e um contexto no qual estes relacionamentos significativos poderão ser cultivados, mas depende de cada membro junto à liderança do MFI sentir uma responsabilidade pessoal mútua como “guardador de nosso irmão”. 8

2. Afiliados, contudo autônomos
Uma das bases doutrinais fortes no MFI é sua convicção que toda igreja local é uma organização autônoma. Isto significa que cada igreja local deve ser autogovernada, autossustentada e autopropagada. É devido a este ensino que até mesmo a própria formação de tal Comunhão representava uma tarefa sensível.

Por um lado havia um desejo de ser um “catalisador”, reunindo os pastores e líderes das igrejas afiliadas com a finalidade de comunhão, relacionamento e reforço. Por outro lado, havia um desejo igualmente forte de não violar a integridade estrutural e a autoridade da assembléia local.

Muitos grupos começaram como uma comunhão, mas logo se tornaram uma denominação na qual a sede central começou a mostrar uma medida crescente de controle no cenário local. O MFI tomou medidas fortes para evitar esta armadilha, organizando-se de tal forma que as características que dão controle às denominações não pudessem se tornar parte da Comunhão, a saber:

2.1 – Não pode credenciar ministérios
A igreja local deve ser o lugar onde ministérios são gerados, levantados, treinados, equipados, autorizados e ordenados. Se uma organização tem o poder para comissionar (ordenar) alguém, também tem o poder de lhes tirar esse comissionamento e assim controlar aquele ministério. O MFI mantém a convicção que licenciatura e ordenação são funções específicas da igreja local.

2.2 – Não pode possuir propriedades de igrejas locais
Muitas igrejas não possuem as suas propriedades, mas sim, uma denominação ou outra organização semelhante detém as escrituras da mesma. Isto facilmente pode se tornar outra característica de controle. Embora todo o patrimônio tenha sido fruto e esforço da igreja local, uma organização poderia facilmente impor a sua vontade sobre uma congregação porque os documentos legais levam o seu nome.

2.3 – Não pode controlar missões de igrejas locais
As igrejas locais devem ser responsáveis pelo envio de missionários. Certamente as mesmas podem cooperar voluntariamente entre si no que se refere a missionários e projetos de missões, mas nenhuma organização externa deveria exigir dinheiro da igreja local para a diretoria de uma missão central. Isto novamente tira autoridade e recursos da igreja local para o desenvolvimento da sua própria estratégia de missões.

Apesar de o MFI não concordar com o controle organizacional, reconhece a necessidade dos ministros terem um senso se família e identidade espiritual. Existe a necessidade de fazer parte de uma visão maior que a de si mesmo, assim como de relacionamentos compromissados com ministérios afins, que podem servir como fonte de fortalecimento e recursos em horas de necessidade.

O MFI é justamente isso para muitos pastores e líderes. Ao afiliarem-se, eles acham novos amigos, encontram irmãos e irmãs espirituais e, ao mesmo tempo, pais e mães espirituais que podem prover sabedoria e conselho em tempos de necessidade. Eles entram em um relacionamento no qual podem cuidar um do outro com amor e carinho.

Eles se tornam parte de uma visão mundial que continuará a crescer no futuro.

3. Cobertura sem controle
O MFI é uma cobertura somente na medida em que favorece um contexto para relacionamento e supervisão espiritual de forma equilibrada, sem exercer controle oficial ou legal sobre qualquer ministro ou igreja.

Como uma comunhão de ministros, o MFI cria um contexto no qual estes podem encontrar
fortalecimento e relacionamentos de apoio com outros ministérios “iguais” e “paternos”. Porém, esses relacionamentos são voluntários e não oficiais, e não se pretende substituir a autoridade legal e oficial da igreja local.

Todos os ministérios, inclusive o pastor sênior (principal), deveriam estar debaixo da autoridade legal e prestar contas ao presbitério da sua própria igreja. Se um pastor não tem nenhum presbitério, então ele deveria submeter-se à responsabilidade de outra igreja “mãe”, enquanto aquele presbitério está no processo de formação.

O MFI não procura cobrir igrejas ou seus ministérios em qualquer sentido direito ou legal. Porém, os membros do MFI e as igrejas para as quais eles ministram podem prover esta “supervisão mais oficial” mutuamente. Fazendo assim eles não estariam agindo como representantes oficiais do MFI, mas como representantes de suas próprias igrejas locais.

Se, eventualmente, um membro do MFI fosse desqualificado do ministério, não caberia ao MFI discipliná-lo oficialmente. Seria responsabilidade daquela igreja local e/ou sua “igreja mãe” que dá cobertura, julgar e administrar disciplina. Porém, a igreja local pode chamar líderes ou membros do MFI para ajudar. Fazendo assim eles não estariam agindo em nome do MFI, e sim, como indivíduos a pedido do presbitério local.

Se por alguma razão o MFI fosse chamado pelo presbitério de uma igreja para ajudar em qualquer assunto, a sua participação não passaria dum papel puramente aconselhador. O MFI não se envolveria diretamente em qualquer disciplina pastoral no contexto da igreja.Isso é uma função da própria igreja local.A única ação disciplinar oficial no MFI em tal caso poderia ser a remoção de um ministério desqualificado da membresia do MFI.

As bases para o compromisso

pilar

A Bíblia afirma claramente que se dois vão caminhar juntos, deve haver entre eles um acordo subjacente (Amós 3:3). Se as pessoas vão entrar em um relacionamento de aliança genuíno e significativo, deve haver uma base forte sobre a qual aquele relacionamento pode ser construído.

O relacionamento de aliança do MFI é edificado em quatro pilares, a saber:

Nº 1 – Caráter
Um compromisso com o caráter cristão é essencial se os associados ao MFI vão representar efetivamente o ministério de Cristo para o mundo. Isto significa que o MFI defende o principio de liderança/servidor que é demonstrado por: integridade, pureza moral, responsabilidade financeira e padrões éticos de conduta cristã (II Pedro 5:2,3).

Nº 2 – Visão comum
Um compromisso de visão comum é essencial para que os associados ao MFI possam se tornar uma expressão unificada da Igreja de Cristo na terra hoje. Unidade de visão e direção, metas e propósitos em comum até mesmo a afirmação de princípios e métodos bíblicos, formam uma base na qual todos podemos construir juntos (Efésios 4:1-6).

Nº 3 – Compatibilidade doutrinária
Um compromisso a uma interpretação comum das escrituras no que diz respeito às áreas doutrinais básicas, ao propósito eterno de Deus, ao lugar da igreja no plano de Deus e à estruturação global e governo da igreja local, é fundamental se formos contribuir efetivamente ao bom sucesso mútuo (I Co 1:10).

Nº 4 – Relacionamento de aliança
Um compromisso de ser “o guardião de nosso irmão” de modo tangível é o subproduto dos outros três pilares. Um relacionamento de aliança é um compromisso de não apenas se preocupar consigo mesmo, mas também com outros membros da Comunhão (Filipenses 2:3,4). É um compromisso ao sucesso pessoal dos outros membros e uma disposição de entrega das nossas vidas para que isso se realize.

Declarações Doutrinais

biblia

Os ensinos fundamentais do MFI são refletidos claramente nas seguintes declarações:

1. Nós cremos na inspiração plenária, verbal do cânon aceito nas Escrituras como originalmente determinado (II Timóteo 3:16 e I Coríntios 2:13).

2. Nós cremos na Divindade Eterna que se revelou como UM Deus, que existe em TRÊS pessoas; o Pai, o Filho e o Espírito Santo; distinguível, mas invisível (Mateus 28:19 e II Coríntios 13:14).

3. Nós cremos na criação, prova e queda do homem como registrado em Gênesis; na depravação espiritual total do homem e em sua incapacidade de atingir a justiça divina (Romanos 5:12,18).

4. Nós cremos no Senhor Jesus Cristo, o Salvador dos homens, gerado pelo Espírito Santo, nascido da Virgem Maria, plenamente Deus e plenamente homem (Lucas 1:26-35; João 1:18; Isaías 7:14, 9:6).

5. Nós cremos que Cristo morreu pelos nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, e pessoalmente, apareceu aos seus discípulos (I Coríntios 15:1-4; Romanos 4:25).

6. Nós cremos na ascensão corporal de Jesus aos céus, em sua exaltação e em Sua segunda vinda
pessoal, literal e corporal para a Igreja (João 14:2-3; I Tessalonicenses 4:13-18).

7. Nós cremos na salvação de pecadores pela graça, mediante o arrependimento e a fé na obra perfeita e suficiente na Cruz do Calvário pela qual nós obtemos remissão de pecados (Efésios 2:8-9; Hebreus 9:12; Romanos 5:11).

8. Nós cremos na necessidade do batismo nas águas por imersão no nome da Divindade Eterna, para cumprir a ordem de Cristo (Mateus 28:19; Atos 2:36-39, 19:1-6).

9. Nós cremos no batismo com o Espírito Santo como uma experiência subsequente à salvação com a evidencia bíblica; isto é, o falar em outras línguas conforme concedido pelo Espírito (Atos 2:1-4, 8:14-17, 10:44-46; Gálatas 3:14-15).

10. Nós cremos na operação dos dons do Espírito conforme enumerados em I Coríntios e manifestados na igreja primitiva.

11. Nós cremos em uma vida cheia do Espírito e separada do mundo, inclusive no aperfeiçoamento da santidade no temor de Deus como uma expressão de fé cristã (Efésios 5:18; II Coríntios 6:14, 7:1).

12. Nós cremos na cura do corpo pelo poder de Deus ou a cura divina em seus aspectos variados como praticada na igreja primitiva (Atos 4:30; Romanos 8:11; I Coríntios 12:9; Tiago 5:14).

13. Nós cremos na Mesa do Senhor, comumente chamada Comunhão ou a Ceia do Senhor, para os crentes (I Coríntios 11:23-32).

14. Nós cremos na vida eterna para os crentes (João 5:24, 3:16) e no castigo eterno para os incrédulos (Marcos 9:43-48; II Tessalonicenses 1:9; Apocalipse 20:10-15).

15. Nós cremos na realidade e personalidade de Satanás e seus anjos e no seu julgamento eterno (Mateus 25:41; Apocalipse 20:10-15).

Além desses fundamentos básicos, nós ainda cremos que:

1. A forma bíblica de governo da igreja é um presbitério plural com um ministro sênior qualificado com base na vida espiritual, caráter, vida doméstica e habilidade de governo (I Timóteo 3).

2. A Igreja de Jesus Cristo é o ultimo instrumento que Deus está usando para estender o Seu Reino sobre a Terra (I Coríntios 15:24-26; Efésios 1:20-23, 3:10; Mateus 16:18).

3. A igreja local é completamente autônoma, ou seja, ele se autogoverna, autossustenta e auto- propaga em seu estado maduro.

4. Todo crente em Cristo deve estar sujeito à autoridade de Deus em uma igreja local especifica para a proteção espiritual e frutificação perene (Hebreus 13:17).

5. A estrutura teológica necessária para atender todos os tratos de Deus com a humanidade se encontra nas alianças divinas reveladas nas Escrituras.

A organização do MFI – Brasil

Equipe

A Equipe Apostólica

O MFI – Brasil será dirigido por uma equipe de coordenadores, nomeados pelo MFI Internacional, que cumprirá funções apostólicas e administrativas, a saber:

1. Estabelecer a visão e dar direção à Comunhão com colaboração e conselho de todos os membros do MFI.

2. Assegurar que a Comunhão funcione de tal modo que os propósitos se tornem uma realidade.

3. Manter a pureza doutrinal na Comunhão pela formulação e distribuição de declarações de posição.

4. Edificar os membros da Comunhão pelo “kit” ou qualquer outro meio que possa parecer apropriado.

5. Levantar e liberar outros líderes afins, para ajudar a alcançar as metas da Comunhão.

6. Fixar a direção e temas para as conferências.

7. Vigiar todas as áreas de natureza financeira, inclusive coletas, orçamentos, contabilidade e distribuição, provendo um relatório anual para manter os membros informados.

8. Selecionar e designar os diretores regionais.

As regiões

Para tocar cada ministro/membro de um modo mais pessoal e significativo, a Comunhão poderá ser dividida em regiões geográficas. Cada região será conduzida por um diretor regional.
Os diretores regionais

Diretores regionais, designados pela Equipe Apostólica, servirão às regiões geográficas do MFI e representarão as preocupações da sua área. Trabalhando com uma equipe de membros do MFI da sua região geográfica, eles ajudarão a assegurar que os objetivos do MFI sejam atingidos. Eles atuarão da seguinte forma:

1. Ajudando a organizar e conduzir as conferências regionais na sua área.

2. Desenvolvendo outras reuniões e atividades regionais que promovam relacionamentos
significativos e a comunicação continua na sua região.

3. Ministrando às necessidades pessoais dos ministros/membros de sua região.

4. Organizando a região em sub-regiões com a finalidade de cultivar comunhão e relacionamento mais profundos entre ministros/membros.

5. Comunicando as preocupações de ministros/membros à Equipe Apostólica.

6. Alcançando pastores que poderiam se interessar em participar de uma comunhão desse tipo

Os meios para o Fim

meios

Todo propósito tem que ter um veiculo ou veículos que os levem a realidade. Sem tais veículos a visão seria só um sonho. O MFI usa vários “meios” para alcançar seus propósitos:

1 – Os “Elos Responsáveis”
Cada pessoa que se torna membro do MFI deve ter como elo responsável um membro da Equipe Apostólica ou um pastor sênior que já é membro. Isto tem por finalidade assegurar que a Comunhão se construa em relacionamentos, caráter e integridade. O Elo Responsável deve ser alguém que tenha relacionamento pessoal com o pretendente, que esteja familiarizado com o seu ministério e que possa atestar o caráter pessoal do pretendente. É o desejo da liderança do MFI que um relacionamento especial de amor, comunhão e responsabilidade sempre existam entre cada membro e o líder que é seu Elo 15

2 – As conferências ELO regionais
O MFI – Brasil promoverá conferências regionais menores em muitos centros geográficos com a finalidade de ganhar uma visão para a região, aprofundar relacionamentos regionais, levar os fardos uns dos outros e experimentar um dialogo mais intimo e prático de assuntos relevantes que os pastores e suas igrejas estejam enfrentando. Estas reuniões regionais serão uma oportunidade genuína para aprofundar os relacionamentos.

3 – As conferências ELO anuais
O MFI – Brasil promove conferências anuais com a finalidade de desenvolver e aprofundar uma larga base de relacionamentos, inspirar visão e trazer refrigério aos pastores e líderes. O cenário destas conferências será em um ambiente confortável, onde os ministros possam passar tempo de qualidade entre si.

4 – Os Elos cafés
São reuniões periódicas, abrangendo os afiliados de uma mesma região, com o objetivo de promover comunhão, compartilhar momentos ministeriais de cada um e também divulgar o MFI ao seu círculo de pastores de sua região

5 – Um “Kit”
O “Kit” consiste em um pacote de materiais destinados à liderança que será enviado periodicamente para abençoar o ministro com abundancia de informações de qualidade (artigos, materiais relevantes, livros e CDs). Os materiais contidos neste pacote são projetados para fortalecer os pastores, ministérios extralocais e líderes de igreja.

6 – Um Web Site
O MFI mantém o Web Site visando uma comunicação mais efetiva de informações atuais. Este site é constantemente atualizado com informações e avisos.

7 – O apoio ministerial
O MFI se dispõe, dentro do possível, proporcionar cuidados paternos e se preocupar com o bem estar de seus membros, por meio de deliberação, encorajamento, sabedoria e comunhão.

8 – O compromisso financeiro
O MFI consegue cumprir os seus propósitos principalmente através da fiel contribuição financeira dos seus membros. Toda visão tem um custo. Na medida em que os membros, de boa vontade, semearem as suas finanças na Comunhão, haverá colheita abundante de relacionamento, cobertura, ajuda e força. Cada membro do MFI possui uma tabela que prescreve a contribuição regular das parcelas da anuidade. Ainda assim, cada membro é encorajado a fazer uma oferta anual baseada em sua fé e visão para a expansão da visão.

As contribuições recebidas serão direcionadas aos gastos para prover as funções previamente listadas da Comunhão. O custo para cada membro está baseado em uma escala gradativa que depende de vários fatores, inclusive o tamanho da igreja representada e a natureza do ministério.
Pastores seniores (principais) contribuem mensalmente, enquanto que outros ministérios de apoio e ministros extralocais o fazem anualmente. Os valores atualizados encontram-se disponíveis no escritório do MFI.

A contribuição foi estabelecida de forma a sustentar a Comunhão para cobrir os custos básicos, sem impor pressões financeiras significantes sobre os ministérios, razão pela qual sugerimos que este apoio seja assumido pelas respectivas igrejas.

Esteja seguro de que a liderança do MFI se empenha em exercer uma mordomia digna de confiança, com motivos puros de integridade. Vale lembrar também que as quantias mencionadas constituem o mínimo que é esperado de cada membro do MFI. Portanto, se um membro, pessoalmente, ou através de sua igreja, resolver assumir um compromisso maior para a realização dos propósitos do MFI deve sentir-se livre para isso.

Como um pastor se torna membro do MFI?

ELO

Tornar-se um membro é um processo. Para que o MFI realmente seja tudo aquilo que objetiva, a sua membresia precisará de um envolvimento que vai além de fazer uma inscrição, colocar seu nome em uma lista e remeter pagamentos regularmente. Deve haver um processo, bem parecido com um “namoro”, para se determinar se o ministro é compatível com a visão e direção da Comunhão. O processo de membresia começa no próprio coração do ministro/candidato.

Se o MFI parece como algo do qual gostaria de fazer parte, faça a si mesmo estas perguntas:

1. Poderia eu apoiar e exemplificar a ênfase do MFI?

2. Sinto que preciso relacionar-me com pastores afins que estão procurando edificar uma igreja gloriosa para esses dias?

3. Quero relacionar-me e andar em comunhão com outros líderes de convicções fortes que se responsabilizam uns pelos outros?

4. Quero unir esforços com ministérios que possam me completar para que Deus realize Seu propósito de estender o Seu Reino no mundo?

Se a resposta para essas perguntas é sim, você definitivamente é um candidato para a membresia no MFI!

Para tornar-se um membro do MFI você deve:

1. Conhecer um pastor sênior membro do MFI ou um membro da Equipe Apostólica e pedir a ele para tornar-se seu elo responsável.

2. Pedir ao seu elo responsável para completar o formulário de referência localizado no fim deste livro e devolve-lo ao escritório do MFI.

3. Preencher um formulário para pedido da membresia localizado no fim deste livro e devolve-lo ao escritório do MFI.

4. Ao recebermos o Formulário de Referência de seu Elo Responsável e o Pedido de Membresia preenchidos, lhe serão remetidos um questionário denominado “Conhecei Aqueles que Trabalham Entre Vós”, e materiais de orientação. Complete o questionário e devolva-o preenchido juntamente com os outros materiais solicitados para o escritório do MFI.

5. Participar de uma conferência do MFI anual ou regional como candidato pretendente.

6. Candidatos que são pastores seniores (principais) devem se disponibilizar para uma entrevista pessoal com dois membros da Equipe Apostólica.

7. A Equipe Apostólica aprovará os candidatos à membresia em uma reunião regular programada para aquele propósito.

8. Candidatos pretendentes receberão uma notificação escrita relativa à aceitação do seu pedido.

9. Receberão um certificado oficial de membro, normalmente apresentado durante a Conferência Anual do MFI.

10. Além do mais, terão seus nomes acrescentados à lista oficial da membresia